Educação do Investidor

Aprenda tudo sobre o mercado financeiro e suas reguladoras com a Bradesco Corretora!

  • Bolsa de Valores de São Paulo - BM&FBovespa
    Criada em 23.08.1890, a Bolsa de Valores de São Paulo - BM&FBOVESPA, é uma associação civil sem fins lucrativos, com autonomia administrativa, financeira e patrimonial.

    A BM&FBOVESPA é uma entidade auto-reguladora, que opera sob a supervisão da Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

    O Conselho de Administração da BM&FBOVESPA

    É integrado por 10 conselheiros efetivos, sendo 6 representantes das sociedades corretoras membros. Desse grupo, são eleitos o Presidente e o Vice-Presidente do Conselho, com mandatos de 1 ano.

    Inclui ainda 3 conselheiros efetivos que representam, respectivamente, os investidores individuais, os investidores institucionais e as companhias de capital aberto.

    O Superintendente Geral da BM&FBOVESPA é membro nato do Conselho de Administração. À exceção do Superintendente Geral, os demais membros do Conselho têm mandatos de três anos, renovando-se a representação, anualmente, em 1/3.

    Cabe ao Conselho de Administração da BM&FBOVESPA traçar a sua política e zelar por sua boa execução. O Superintendente Geral é responsável pela equipe profissional que executa a gestão técnico-administrativa.

    A Assembléia Geral das Corretoras Membros se reúne duas vezes por ano, e é o órgão deliberativo máximo da BM&FBOVESPA, para deliberar sobre proposta orçamentária, aprovação das demonstrações financeiras do exercício anterior e eleger os membros do Conselho de Administração.

    Para saber mais sobre a BM&FBOVESPA, acesse http://www.bovespa.com.br

    A BM&FBOVESPA como entidade Auto - Reguladora

    De acordo com a Lei No. 6.385 de 07/12/76, artigo 8°, parágrafo primeiro e artigo 17 e o Regulamento Anexo à Resolução n° 2.690, de 28/01/00, do CMN- Conselho Monetário Nacional, a BM&FBOVESPA é dotada do denominado Poder de Auto-Regulação, que lhe confere faculdade para estabelecer normas e procedimentos (inclusive de conduta) e para fiscalizar seu cumprimento, os quais deverão ser observados pelas corretoras, as empresas listadas e investidores.

    O descumprimento às normas e procedimentos estabelecidos pela BM&FBOVESPA, bem como daquelas que é incumbida de fiscalizar (abrangendo também práticas não eqüitativas e quaisquer modalidades de fraude ou manipulação no mercado) sujeita o infrator às penalidades que podem ser por ela aplicadas, que são: advertência, multa, suspensão, exclusão e inabilitação para o exercício de certas funções na própria Bolsa e em corretora.
    A aplicação do Poder de Auto-Regulação pela BM&FBOVESPA leva em consideração o agente envolvido, a saber:

    Corretoras e BM&FBOVESPA - pode aplicar penalidades à corretora e seus administradores, empregados, operadores e prepostos. Também pode penalizar os seus próprios administradores e funcionários.

    Empresas listadas - pode suspender a negociação dos títulos e valores mobiliários emitidos pela empresa ou cancelar o seu registro para negociação, sendo que a BM&FBOVESPA não dispõe de poderes para punir os administradores, empregados e prepostos da empresa. Só a CVM- Comissão de Valores Mobiliários pode fazê-lo.

    Investidores - nos mercados a termo e de opções, dispõe de poderes de caráter operacional, sendo-lhe facultado: proibir que suas posições excedam a determinados limites; determinar o encerramento de suas posições; ou proibir que operem nesses mercados. A Bolsa não pode punir investidores; só a CVM tem competência para tanto.

    A BM&FBOVESPA inclusive tem poderes para cancelar negócios já executados, caso se constate irregularidade na transação, ou sejam constatadas infrações às normas do Mercado de Valores Mobiliários, ou nos termos definidos na Instrução CVM 168 de 23.12.1991.

    A BM&FBOVESPA pode ainda cancelar negócio já executado caso constate que foi realizado pelo mesmo cliente como comprador e vendedor em corretoras distintas, o que caracteriza operação com o mesmo comitente e pode ser inclusive considerada como manipulação de preços da ação.

    Para saber mais sobre a BM&FBOVESPA, acesse http://www.bovespa.com.br

    Horários de Negociação da BM&FBOVESPA 

    A BM&FBOVESPA dispõe de 2 sessões de negociação distintas: o pregão diurno e o After Market (pregão noturno). Os horários de abertura e de fechamento de ambas as sessões podem ser visualizadas no site da BM&FBOVESPA, no endereço http://www.bovespa.com.br/horarioneg.htm. É importante observar que durante o ano estes horários podem ser alterados em razão da adoção de horário de verão, especialmente no Brasil e nos Estados Unidos.

    A BM&FBOVESPA conta ainda com o SPOT - Sistema Privado de Operações por Telefone, que é um serviço de telefonia disponível para as corretoras, com o objetivo de baratear e racionalizar a comunicação telefônica entre as Corretoras e a BM&FBOVESPA.

    Em 1999, a BM&FBOVESPA lançou o Home Broker e o After-Market, cuja finalidade é possibilitar a participação do pequeno e do médio investidor no mercado.

    O Home Broker é uma conexão pela Internet que permite ao investidor, por meio do site das Corretoras na Internet, transmitir suas ordens de compra ou de venda diretamente ao Mega Bolsa.

    O After-Market é a sessão noturna de negociação eletrônica.

    Títulos Negociados na BM&FBOVESPA

    A legislação atual permite a negociação, nas Bolsas de Valores, de Títulos e Valores Mobiliários de emissão ou co-responsabilidade de companhias abertas, previamente registrados na CVM, assim como opções de compra e venda sobre ações de companhias abertas, debêntures (conversíveis ou simples) e "commercial papers" registrados para colocação pública.

    Mediante autorização de seu Conselho de Administração ou por solicitação da BM&FBOVESPA à CVM, também podem ser negociados nas Bolsas os direitos e os índices das ações negociadas, os recibos de depósitos de ações e cotas de fundos ou de clubes de investimentos.
    Atualmente, são regularmente negociadas nas BM&FBOVESPA: -  ações de companhias abertas; -  opções sobre ações, direitos e dividendos sobre ações; -  bônus de subscrição -  cotas de fundos; -  debêntures; -  notas promissórias.

    No recinto das bolsas também são realizados os leilões de blocos de ações que representam o controle das empresas estatais a serem privatizadas.

    Podem ser ainda negociados nas bolsas, mesmo que eventualmente, certificados de depósitos de ações lançados por empresas, cujo país de origem integra o Acordo do MERCOSUL.

    Negociações de Ações via Home Broker

    É um moderno canal de relacionamento entre os investidores e as sociedades corretoras, que torna mais ágil e simples as negociações no mercado acionário. O Home Broker permite o envio de ordens de compra e venda de ações e outros ativos pela Internet, possibilita acesso às cotações e acompanhamento de carteiras de ativos, entre vários outros recursos.

    O Código ISIN
    O código ISIN é aquele utilizado na BM&FBOVESPA para identificação da empresa/ação. Exemplo: o código ISIN da ação PETR4 é BRPETRACNPR6.

    Desenvolvido especialmente para atender à indústria financeira, o International Securities Identification Number - ISIN oferece um sistema de códigos para a identificar títulos que pode ser utilizado mundialmente.

    Especificando o título objeto da negociação com código único, sua crescente utilização representa um facilitador para a globalização dos mercados, redução do risco de liquidação e problemas de back-office de operações locais e internacionais.

    Lote Padrão e Lote Fracionário

    Lote Padrão é a quantidade mínima de um título/ação, determinada pela Bolsa de Valores, para negociação no mercado principal, em que as ordens devem ter quantidade mínima de 1 lote padrão, ou múltiplos do mesmo.

    Exemplo: Compra 250.000 ações CEMIG4 - o Shopinvest irá registrar no Mega Bolsa duas ordens: 1ª ordem 200.000 ações CMIG4
    2ª ordem 50.000 ações CMIG4F

    O lote padrão de Bradesco é 100 ações. Quantidades abaixo desse número serão negociadas no Mercado Fracionário (F).

    Fator de Cotação Unitário e por Lote de Mil Ações

    É informação fundamental para determinar a quantidade de ações a ser negociada e o valor do investimento.

    A diferenciação entre cotação unitária e por lote de mil ações originou-se na década de 1980, por ocasião do primeiro 'corte de zeros' na moeda vigente da época. Naquele momento, a BM&FBOVESPA passou a considerar todas as cotações das ações (que eram até então unitárias) como sendo por lote de mil ações, como forma de adequar-se a mudança.

    Posteriormente, algumas companhias realizaram desdobramento e grupamentos de suas ações, cuja cotação voltava assim a condição anterior (unitária). Mas, ocorreram novos 'cortes de zeros' até 1994, quando as cotações foram convertidas para a moeda atual, o Real.

    Atualmente há empresas cujas ações são cotadas unitariamente e outras por lote de mil ações. É muito importante observar com atenção esta informação, no momento de determinar a quantidade de ações e montante a ser negociado.

    Exemplos:
    1) Bradesco PN - BBDC4
    Cotação Fechamento: R$ 8,65 por lote por lote de mil ações (pregão 22/10/02)

    2) Vale do Rio Doce ON - VALE3
    Cotação Fechamento: R$ 92,00 por ação (pregão 22/10/02)
  • Comissão de Valores Mobiliários - CVM
    Instituída pela Lei 6.385 em 07/12/76, a CVM é o órgão normativo do sistema financeiro especificamente focado no desenvolvimento, disciplina e fiscalização do mercado de Valores Mobiliários não emitidos pelo sistema financeiro e pelo Tesouro Nacional.

    Além das Bolsas de Valores, a CVM tem poder fiscalizador e disciplinador sobre as atividades das Bolsas de Mercadorias e Futuros, as entidades do Mercado de Balcão Organizado e as entidades de Compensação e Liquidação de Operações com Valores Mobiliários. Estas entidades atuam como órgãos auxiliares da CVM.

    Sob a égide da Lei 10.303 de 30/10/01 (a nova Lei das S.A.), toda a regulamentação e supervisão relativa à Indústria de Fundos passou a ser da competência da CVM.

    Os objetivos da CVM caracterizam-se pelo fortalecimento do Mercado de Ações e Valores Mobiliários, seja pelo (i) estímulo ao investimento no Mercado Acionário, (ii) pela garantia de funcionamento regular das Bolsas e demais Instituições Auxiliares deste mercado, (iii) proteção aos investidores contra emissões irregulares e manipulação de preços e (iv) fiscalização da emissão, registro, distribuição e negociação dos títulos emitidos pelas S.A.

    Entre outras atividades, compete à CVM:

    - A emissão, distribuição, negociação e intermediação de Valores Mobiliários e Derivativos no mercado;
    - A organização, funcionamento e as operações das Bolsas de Valores e Bolsas de Mercadorias e Futuros;
    - A administração de carteiras e custódia de valores mobiliários;
    - A auditoria das companhias abertas;
    - Os serviços de consultor e de analistas de valores mobiliários. Para obter mais informações sobre a CVM, acesse http://www.cvm.gov.br

    Pregão Eletrônico - Mega Bolsa
    Mega Bolsa (pregão eletrônico) - As corretoras cumprem suas ordens de compra e venda, diretamente de seus escritórios, por meio de computadores.
  • Sociedade Operadora do Mercado de Ativos - SOMA
    A SOMA administra o mercado de balcão organizado no Brasil. Para tanto, conta com o sistema de negociação eletrônico em que os Market Makers e instituições financeiras associadas registram suas ofertas.

    A liquidez das ações é viabilizada pelos Market Makers, representados pelos operadores que se comprometem a alocar, constantemente, preços de compra e venda de determinada ação e correr riscos por conta própria. Em troca, estes agentes têm prioridade de disseminação de suas cotações pelo terminal da SOMA. Desta maneira, os clientes sempre estarão consultando os preços dos operadores para negociar esta ação.

    Cabe lembrar que as atividades dos Mercados de Balcão Organizados também são regulamentadas e fiscalizadas pela CVM.

    Na SOMA podem ser negociadas ações, debêntures, e demais títulos e valores mobiliários de emissão de companhia aberta, bem como a carteira teórica referenciada em ações negociadas na SOMA, cotas representativas de certificados de investimento audiovisual, cotas de fundos de investimento fechados, títulos da dívida agrária emitidos pelo Tesouro Nacional e outros títulos e valores mobiliários admitidos à negociação pela SOMA nos mercados por ela administrados.
  • Mercado de balcão - over the counter market
    As operações são realizadas por telefone entre as instituições financeiras, não havendo local físico determinado para sua realização. Normalmente destina-se a negociação de ações de empresas não registradas nas bolsas de valores, além de outros tipos de títulos.

    Designa-se o Mercado de Balcão com o termo 'Organizado' somente a partir do momento em que se estrutura como sistema de negociação de Títulos e Valores Mobiliários administrado por entidade autorizada pela CVM.
  • Mercado de capitais
    O mercado de capitais é um sistema de distribuição de valores mobiliários, que tem o propósito de proporcionar liquidez aos títulos de emissão de empresas e viabilizar seu processo de capitalização. É constituído pelas bolsas de valores, sociedades corretoras e outras instituições financeiras autorizadas.

    No mercado de capitais, os principais títulos negociados são:

    - os representativos do capital de empresas; - as ações - ou de empréstimos tomados, via mercado, por empresas; - debêntures conversíveis em ações, bônus de subscrição e "commercial papers", que permitem a circulação de capital para custear o desenvolvimento econômico.

    O mercado de capitais abrange, ainda, as negociações com direitos e recibos de subscrição de valores mobiliários, certificados de depõsitos de ações e demais derivados autorizados à negociação.
  • Por que e como investir no mercado de capitais?
    À medida que cresce o nível de poupança, maior é a disponibilidade para investir. A poupança individual e a poupança das empresas (lucros) constituem a fonte principal do financiamento dos investimentos de um país. Tais investimentos são o motor do crescimento econômico e este, por sua vez, gera aumento de renda, com conseqüente aumento da poupança e do investimento, e assim por diante.

    Esse é o esquema da circulação de capital, presente no processo de desenvolvimento econômico. As empresas, à medida que se expandem, carecem de mais e mais recursos, que podem ser obtidos por meio de:

    - empréstimos de terceiros;

    - reinvestimento de lucros;

    - participação de acionistas.

    As duas primeiras fontes de recursos são limitadas. Geralmente, as empresas utilizam-nas para manter sua atividade operacional.

    Mas é pela participação de novos sócios - os acionistas - que uma empresa ganha condição de obter novos recursos não exigíveis, como contrapartida à participação no seu capital.

    Com os recursos necessários, as empresas têm condições de investir em novos equipamentos ou no desenvolvimento de pesquisas, melhorando seu processo produtivo, tornando-o mais eficiente e beneficiente para toda a comunidade.

    O investidor em ações contribui assim para a produção de bens, dos quais ele também é consumidor. Como acionista ele é sócio da empresa e se beneficia da distribuição de dividendos sempre que a empresa obtiver lucros.

    Essa é a mecânica da democratização do capital de uma empresa e da participação em seus lucros.

    Para operar no mercado secundário de ações, é necessário que o investidor dirija-se a uma sociedade corretora membro de uma bolsa de valores, na qual funcionários especializados poderão fornecer esclarecimentos e orientação na seleção do investimento, de acordo com os objetivos definidos pelo aplicador. Se pretender adquirir ações de emissão nova, ou seja, no mercado primário, o investidor deverá procurar um Banco, uma corretora ou uma distribuidora de valores mobiliários, que participem do lançamento das ações pretendidas.

    Informações Fornecidas pela BM&FBOVESPA

    ATENÇÃO: Toda comunicação através da rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas.
  • Companhia Brasileira de Liquidação e Custódia - CBLC
    É uma Sociedade Anônima com a finalidade de prestar serviços de compensação e liquidação física e financeira das operações realizadas nos Mercados a Vista e a Prazo da BM&FBOVESPA e de outros mercados, fazendo também a operacionalização dos sistemas de custódia de Títulos e Valores Mobiliários em geral, como, por exemplo, certificados de privatização, debêntures, certificados de investimento, cotas de fundos imobiliários e títulos de renda fixa.

    De forma geral, todos os valores em custódia na CBLC são mantidos em forma escritural, já que poucas companhias no Brasil ainda emitem certificados físicos.

    Os títulos mantidos na CBLC são registrados diretamente em contas de custódia que indica o beneficiário final, sob a forma escritural, ou seja, na forma de lançamentos contábeis. A CBLC atua como agente fiduciário das ações sob sua responsabilidade.

    A centralização dos títulos no Serviço de Custódia da CBLC permite que as transferências de titularidade das ações sejam feitas em um único ambiente, reduzindo sensivelmente os riscos associados à movimentação dos títulos.

    O conceito de fungibilidade fundamenta-se na transferência do título que está em nome do detentor original para o nome da CBLC. Essa transferência significa que a CBLC é a proprietária fiduciária das ações exclusivamente para fins de custódia, de forma que os títulos não passam a integrar seu patrimônio.

    Isto possibilita à companhia aberta, que tenha suas ações negociadas em mercados organizados, o registro em seu livro de controle de acionistas de uma única posição em nome da CBLC. Mas, a companhia não perde o controle de seus acionistas, pois o Serviço de Custódia Fungível CBLC mantém os registros em contas individualizadas em nome de cada detentor das ações da empresa. Esta, por sua vez, pode conhecer a relação atualizada de seus acionistas acessando os sistemas da CBLC ou listagens fornecidas e arquivos eletrônicos fornecidos pela entidade.

    Para saber mais sobre a CBLC, acesse http://www.cblc.com.br

     

    Agentes de Custódia


    Utilizam os serviços de Custódia da CBLC com a finalidade de guarda dos valores mobiliários de seus clientes. São as instituições financeiras autorizadas a prestar serviços de custódia às contrapartes e gerenciar a estrutura das subcontas: - Corretoras de Valores - Distribuidoras de Valores - Banco Comerciais, Múltiplos ou de Investimento

    Também mantêm contas de custódia em nome de seus clientes.
     

    Usuários Especiais de Custódia


    Podem manter conta de custódia somente para a guarda de seus ativos mobiliários (carteira própria) na CBLC, mas não são autorizados a prestar serviços às contrapartes ou gerenciar a estrutura das subcontas: - Companhias seguradoras - Fundos de pensão - Companhias abertas
  • Sociedades corretoras de títulos e valores mobiliários
    São as instituições intermediadoras das operações de compra, venda e distribuição de Títulos e Valores Mobiliários (inclusive ouro) por conta de terceiros, seus clientes.

    Sua constituição está condicionada à autorização do Banco Central ,e o exercício de suas atividades depende de autorização da CVM:

    - Operações nos recintos das Bolsas de Valores e de Mercadorias;

    - Administração e custódia de carteiras de Valores Mobiliários;

    - Participação de lançamentos públicos de ações;

    - Organização e administração de Fundos de Investimento;

    - Operações no Mercado Aberto e intermediação de operações de câmbio.
  • Sociedades distribuidoras de títulos e valores mobiliários
    Têm faixa operacional mais restrita que as corretoras, pois não possuem acesso às Bolsas. Suas atividades básicas compreendem a intermediação de colocação de emissões de capital no mercado, subscrição isolada ou em consórcio de emissão de Títulos e Valores Mobiliários para revenda e operações no Mercado Aberto (condicionadas às exigências do Banco Central).
  • Em qual ação investir para obter lucro rápido e sem riscos?
    Diferentemente de um ativo de renda fixa com taxa de juros pré-fixada, cujo rendimento já é conhecido em sua aquisição, o investimento em renda variável, como o próprio nome já procurar expressar, não garante retorno.

    A razão disto é que esta modalidade de investimento traz embutido elevado fator de risco, originado pelas incertezas e surpresas que podem ocorrer.

    Fatos e acontecimentos diversos podem afetar as negociações e o desempenho da cotação de determinada ação na BM&FBOVESPA. Estas mudanças podem, inclusive, ocorrer de forma rápida e brusca, resultando em significativa reversão de expectativa de lucro para prejuízo e até mesmo perda do capital investido em curto espaço de tempo.

    Os serviços de administração de recursos, atividades desempenhadas pelos gestores de 'portfólios', contam com especialistas que fazem uso de diversas técnicas para mensurar risco, liquidez, volatilidade e retorno das ações que compõem suas carteiras.

    Aquela parcela da taxa de retorno que decorre de incertezas ou surpresas, e é inesperada, é o risco autêntico de qualquer investimento. Pois, se já tivéssemos obtido o retorno esperado, não poderia haver qualquer risco ou incerteza.

    Como exemplo podemos citar o fato de que os estudiosos do assunto costumam diferenciar fontes de risco mais específicas a determinada ação/empresa e outras fontes de risco mais amplas, que afetam um grande número de ativos, cada um deles com maior ou menor intensidade.

    A descoberta de um poço de petróleo ou uma jazida de ouro por uma empresa tende a afetar diretamente esta empresa, ou um conjunto de poucas outras empresas.

    As incertezas relativas a condições econômicas gerais, taxas de juro e câmbio, inflação, ou até mesmo casos fortuitos como guerras, enchentes, um "Black Out", podem interferir em um grande número de ativos, com maior ou menor intensidade em cada um deles.

    Portanto, o investidor deve desenvolver essa modalidade de investimento com especial atenção e acompanhamento, buscando determinar o seu o perfil de investidor, qual parcela de seu capital deseja expor ao risco e o retorno esperado, bem como o risco a que está expondo seu capital e o horizonte de investimento (curto, médio ou longo prazo).

    A Bradesco Corretora disponibiliza, via Bradesco Corretora/Home Broker o serviço de intermediação eletrônica das operações de compra e venda na BM&FBOVESPA. Não oferecemos atualmente serviços de consultoria de administração de recursos e não indicamos opções de investimento no mercado financeiro. Essa atividade está mais ligada aos gestores de 'portfólios', conforme expusemos, os quais cobram taxas de performance e de administração por tais serviços.

    Com a finalidade de subsidiar nosso clientes em suas decisões de investimento, oferecemos, na Sala de Ações, informações relevantes quanto aos resultados e aos dados econômico-financeiros das empresas, cujos papéis são listados em Bolsa, gráfico e histórico das cotações.

    O Canal Financeiro, a agência de notícias econômicas e financeiras on-line da Bradesco Corretora, apresenta matérias sobre diversos temas como economia, finanças, empresas, negócios, política, área internacional em geral, bem como manchetes dos principais jornais e matérias da Gazeta Mercantil.
  • A internet como canal de acesso ao mercado de ações
    A Internet já teve oportunidade de mostrar e consolidar-se como eficiente canal de distribuição de informações a um custo efetivamente baixo, se comparada a outras mídias a disposição da sociedade.

    O Banco Bradesco e a Bradesco Corretora analisam de forma criteriosa as características de seus produtos (no caso, a intermediação de Compra e Venda de Ações no Mercado a Vista da BM&FBOVESPA) com a finalidade de adequação às particularidades do canal de distribuição utilizado (no caso, a Internet), à luz de diversos fatores, como a legislação que regulamenta as atividades da Organização, seu mercado de atuação, as políticas internas de qualidade, as particularidades do Mercado de Renda Variável, o público alvo etc.

    Não obstante os avanços tecnológicos alcançados e nosso compromisso de melhoria contínua dos serviços prestados, a Internet é baseada em vários ambientes e servidores que processam informações de forma integrada, dependendo de diversas conexões. Seu pleno funcionamento não está condicionado a estabilização de só um serviço ou equipamento. Por conseguinte, não é possível garantir a estabilidade ininterrupta da rede mundial de computadores, 24 horas por dia, 7 dias por semana. A Instrução CVM 380 de 23/12/02, que dispõe sobre os regulamentos a serem observados pelas corretoras on-line para encaminhamento de ordens de compra e venda de ações via Internet, evidencia este fator ao dispor no Artigo 4º, Parágrafo Único: "A corretora eletrônica deverá colocar em sua página na rede mundial de computadores um aviso em destaque, com o seguinte informe: "TODA COMUNICAÇÃO ATRAVÉS DA REDE MUNDIAL DE COMPUTADORES ESTÁ SUJEITA A INTERRUPÇÕES OU ATRASOS, PODENDO IMPEDIR OU PREJUDICAR O ENVIO DE ORDENS OU A RECEPÇÃO DE INFORMAÇÕES ATUALIZADAS".

    A Instrução referida também estabelece a necessidade de realização de auditorias dos sistemas das corretoras.

    Neste contexto, a Bradesco Corretora sempre orienta a nossos clientes do Home Broker o acompanhamento da negociação de suas ordens no mercado e dispõe de equipe exclusiva de profissionais para atendimento via e-mail. As mensagens são priorizadas, de modo a serem respondidas considerando-se o timing do Mercado de Ações.

    Ordens de compra e venda de ações também podem ser comandadas via Rede de Agências e nossos clientes contam com os serviços disponíveis nas Centrais de Atendimento do Banco Bradesco.
  • Por que a Bradesco Corretora não oferece a modalidade de investimento conhecida como venda a descoberto?
    O day trade caracteriza-se pela conjugação de compra e venda da mesma quantidade da mesma ação, no mesmo dia/pregão.

    Quando ocorre a atualização da posição de ações do cliente em Custódia Fungível na CBLC - Companhia Brasileira de Liquidação e Custódia, verifica-se a realização do day trade e, por esta razão, não há liquidação física nesta modalidade de operação, uma vez que houve uma compra e uma venda no mesmo dia.

    Para operações normais de compra e venda de ações, a liquidação física é em 'D+3', ou seja, no terceiro dia útil subsequente a data do pregão em que a operação foi efetuada.

    A seguir descrevemos, resumidamente, o fluxo de liquidação da CBLC, que pode ser acessado no link http://www.cblc.com.br:
    - D+0 - Dia da operação; único dia para especificação de opções e de arbitragem interpraças; cobertura de opções.

    - D+1 - Prazo para especificação/reespecificação de operações a vista e a termo; depósito das margens de opções.

    - D+2 - Entrega dos títulos para liquidação física da operação; relatórios dos "potenciais inadimplentes".

    - D+3 - Liquidação física e financeira da operação; depósito de cobertura financeira para vendedor inadimplente; depósito de margem para operações a termo.

    - D+4 - Último dia para regularização da liquidação física da operação.

    - D+5 - Emissão da ordem de recompra; início do prazo para execução da recompra.

    - D+6 - Prazo para execução da recompra e confirmação da recompra.

    - D+7 - Prazo final para execução da recompra; prazo para confirmação da recompra.

    - D+8 - Prazo final para confirmação da recompra.

    - D+9 - Reversão da operação.

    Caso a Contraparte Vendedora não entregue no prazo determinado ('D+3'), a CBLC cobrará da mesma multa de 0,2% sobre o montante da operação.

    Caso a Contraparte Vendedora não entregue em 'D+4', será cobrada nova multa de 0,2%. A partir daí, ocorre a Recompra dos títulos pela Corretora compradora, para entrega ao comprador.

    Conforme consta no item 3 das Regras e Parâmetros de Atuação para INTERNET/HOME BROKER, as solicitações de ordens de venda enviadas via Internet somente serão aceitas mediante a pré-existência de saldo de ações livres, disponíveis e desembaraçadas de quaisquer ônus, que estejam depositadas em custódia fungível. A Bradesco Corretora não disponibiliza a modalidade de venda de ações em 'D+1' ou 'D+2', também conhecida como 'venda a descoberto', conforme consta no item 3 das Regras e Parâmetros de Atuação para INTERNET/HOME BROKER, visando a conformidade ao fluxo de liquidação regular das operações no Mercado a Vista.

    A venda de posições sem o efetivo depósito das ações em custódia fungível pode acarretar em Recompra das ações, caso o Comitente Vendedor não possa honrar o compromisso de entrega dos títulos.

    Adicionalmente, é a forma de se garantir o adequado funcionamento do Mercado de Ações, pois se uma grande quantidade de investidores praticarem a 'venda a descoberto', pode haver aumento do nível de inadimplência, o que é prejudicial a estes mesmos investidores.

    Portanto, as vendas de ações por meio da Bradesco Corretora / Home Broker somente são possíveis mediante a preexistência de posição das ações 'livres' em sua carteira de custódia fungível na Bradesco Corretora, em concordância com o Fluxo de Liquidação mencionado.

    O Parágrafo IV do item 1.4 das Regras e Parâmetros de Atuação da Bradesco Corretora, que consta na Bradesco Corretora e ao qual foi solicitado o seu 'Concordo' no momento de seu cadastramento on-line, esclarece que:

    "Em todos os mercados a Bradesco Corretora só operará com base na preexistência das garantias respectivas, as quais deverão já estar depositadas em custódia fungível quando da realização dos negócios, ou o numerário correspondente às compras já depositado na Organização Bradesco."

Bibliografia

Mercado Financeiro - Administração Financeira
Produtos e Serviços Corporate Finance
Eduardo Fortuna Ross / Westerfield / Jaffe
12ª Edição - Revista Ampliada 1ª Edição
Qualitymark Editora Atlas

Bradesco S.A. Corretora de Títulos e Valores Mobiliários, instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.
Toda comunicação através da rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas, nos termos da Instrução 380 da CVM.
Todas as cotações, disponibilizadas na área aberta do site, possuem defasagem de aproximadamente 15 minutos.